Um ano de voluntariado na Tailândia

Quando era miúda queria ser como o Macgyver, queria viajar pelo mundo e ter ideias brilhantes só a partir de um isqueiro. Queria viajar com uma mochila, uma lanterna, um livro e um par de binóculos.

Na minha ingenuidade infantil não havia espaco para malas perdidas na Rússia, preços mal negociados na Índia, ser seguida por um tarado na Índia, por dois bêbados na Rússia, por um maluco na França…, ficar sozinha no meio do nada no sul da Lituânia, atravessar um quintal de fato de banho com apenas menos trinta graus, conduzir num lago congelado na Estónia, ir parar ao hospital após deixar de sentir os bracos e as pernas na Letónia, andar de bicicleta dentro de uma gruta nos Países Baixos… Também não me tinha ocorrido pedir vistos para entrar num país, seguros de vida, ter de contar os tostões e claro, os seguranças dos aeroportos que parecem apenas revistar mochilas quando estamos atrasados.

Depois de viver sete meses na Letónia, a fazer o Serviço de Voluntariado Europeu (os curiosos podem ir visitar as catacumbas do meu blog sobre a minha vida na Letónia e na Bélgica: www.Babsynofimdomundo.blogspot.com) achei que em miúda poderia ter-me informado muito melhor. Passei então os últimos dois anos na Bélgica a poupar, a viajar, e a ponderar a minha próxima aventura. Queria viajar, sim. Mas queria mais. Ter vários carimbos no passaporte não me satisfaz, apesar de ser muito giro folhear de vez em quando, quase que posso dizer que necessito de contacto com gente local, de aprender, de conversar, de rir. E claro, de ter aventuras. Normalmente as coisas acontecem, não procuro sarilhos ou aventuras mas nitidamente tenho um íman.

Depois de sofrer o primeiro choque cultural aprendi muito sobre mim mesma, e uma das coisas que aprendi é que viver noutros paises, andar como uma barata tonta a tentar perceber coisas simples para os padrões locais e finalmente integrar-me é muito mais divertido.

O ideal seria viver um ano ou dois em cada continente (exceptuando a Antártida, não sou grande fã de neve), viajando pelo maior número possível de países. Quem sabe um dia.

E eis que segunda-feira começa a minha nova aventura: um ano a trabalhar numa escola e orfanato tailandês que acolhe refugiados birmaneses. Vou dar aulas de inglês e de desporto e bem, fazer um pouco de tudo, já se sabe que nestes locais o inesperado é a regra geral. Vou tentar aprender tailandês e a cultura local e conhecer os países vizinhos conforme o trabalho de voluntariado e os miúdos me deixarem. Vou com dinheiro contado o que implicará abdicar de certos luxos, negociar preços (detesto) e muitas horas de autocarro, logo eu que após ir para a Rússia de autocarro jurei que nunca mais.

 
Planeie a sua viagem com estas ferramentas
Faça como eu! Estas são as ferramentas que utilizo no planeamento e preparação das minhas viagens. Ao utilizar os links abaixo, poderá ter alguns benefícios e, ao mesmo tempo, ajuda-me a manter o blog sem pagar nada mais por isso.
Pesquisar voos
Pesquise os seus voos num agregador como o Skyscanner ou o Momondo.
Alojamento
Reserve o seu hotel, hostel ou guesthouse no Booking ou no Airbnb.
Seguro de viagem
Faça sempre um bom seguro de viagem com a World Nomads ou a IATI.
Tours e bilhetes
Encontre tours e compre bilhetes para atracções na GetYourGuide ou na Civitatis.
Rent-a-car
Consiga os melhores preços de aluguer de carros na Rentalcars ou a Economy Car Rentals.
Cartões Bancários
Poupe nas taxas de levantamentos em viagem com os cartões Revolut ou N26.

4 comentários em “Um ano de voluntariado na Tailândia”

  1. ola aos tres,

    lamento mas como nao recebi aviso, nao sabia das vossas mensagens. Se ha programas em portugal para a Tailandia especificamente nao sei, mas sei que ha o programa SVE que tem programas de voluntariado em toda a europa e alguns paises parceiros, sugiro irem a Instituto da juventude.
    para a tailandia fui do meu bolso para a children of the forest (embora inicialmente para outra ong mas com cujos valores descobri nao concordar), trabalhei um ano e meio num trabalho horrivel e poupei o mais q pude. depois la deram-me casa e comida, so tive de tratar de viagem e do visto. espero ter ajudado.
    cumps
    barbara

    Responder

Deixe um comentário