Kit de Viagem

estação de autocarros em Bangkok

Bangkok e a longa viagem até ao projecto

Confesso que as minhas primeiras horas em Bangkok foram passadas de barriga para baixo e de corpo estendido na diagonal na cama do hotel. Eu sei que é melhor ficar acordada para curar o jet lag mais depressa, para entrar no ritmo local mais depressa… mas é que nem fiz de propósito, tomei um duche, sentei-me e pronto, acordei horas depois.

A primeira impressão foi ainda das pontes para peões, nunca tinha visto tantas. Mesmo após dois dias na zona continuei a ir pela saída errada e a obrigar-me a subir e descer degraus desnecessariamente. Da terceira ou quarta vez o segurança não me deixou passar e tive de dirigir-me para a porta certa.

Saí sem mapa e andei a pé até não poder mais. Se no império romano todas as estradas iam dar a Roma, aqui qualquer estrada irá bater num templo budista.

A comida na rua é uma tentação do diabo. Não é normal a comida ser tão deliciosa. Não fui a um único restaurante mas digamos que o dono do carrinho do milho já me conhecia. A comida é feita no dia, às vezes até na hora. A carne/peixe normalmente são no espeto, o que facilita o consumo “on the go”.

As pessoas são extremamente simpáticas, hospitaleiras e genuinas. Não podia esperar melhor. O inglês não é tão generalizado como tinha pensado, contudo as pessoas esforçam-se por comunicar, por mostrar o caminho certo, com gestos, desenhos e sorrisos. Muitos sorrisos. A Tailândia merece ser chamada a terra dos sorrisos. Há dias explicaram-me que é a terra dos sorrisos não por estarem sempre felizes mas por terem mil e um sorrisos diferentes conforme as ocasiões.

Dois dias depois decidi ir para a escola. Tinha acordado com a directora que iria descansar antes de apanhar o autocarro – a viagem dura sete horas – e entusiasmada com o meu sucesso intitulado “não me perdi e cheguei ao hotel sozinha” não tomei as precauções que normalmente tomaria, por exemplo, não apontei a morada e telefone da escola, apenas o nome da cidade e as indicações do autocarro. Claro que não ia correr bem.

Acordei às 4h da manhã, o táxi chegou antes da hora e na minha ingenuidade achei que o hotel já tinha combinado o local. O taxista sabia duas palavras de inglês e não ligou o contador. Magnífico… Para quem não conhece Bangkok posso apenas dizer que é hora de ponta o tempo todo, a qualquer hora, por isso quando me vi sozinha numa rua deserta e sem iluminação fiquei preocupada. Naturalmente em vez de tentar me acalmar pensei em todas as coisas más que me podiam acontecer. Maldito cérebro. Voltei a perguntar pelo terminal de autocarros em mau tailandês, recebi mais um aceno com a cabeça e nada mais. Passados alguns minutos cheguei ao terminal com o estômago às voltas e paguei o preço inflacionado.

Apenas a pensar em tomar o pequeno-almoço mostrei o papelinho com o nome da cidade que precisava. Uma senhora escoltou-me e outros dois ajudaram-me a comprar o bilhete. Devia ter desconfiado quando vi que a plataforma não correspondia à que me tinham dito mas achei que os locais sabiam melhor que eu. Encostei-me à mochila e preparei-me para dormir durante sete horas. Eram seis da manhã. Duas horas depois mandam-me sair do autocarro, tinha chegado a Sanghklaburi. Mau…

Após umas voltas pela paragem confirmei que tinha de regressar a Bangkok e apanhar outro autocarro. Ou seja, além das sete horas que tinha planeado tinha somado mais quatro. Porreiro. Há autocarros às cinco, seis e nove e meia da manhã e um ao meio dia. Quando cheguei à bilheteira certa só havia a possibilidade de apanhar o último. No entanto o senhor da bilheteira (o bilheteiro?) explicou-me que havia um autocarro às onze. Enviei uma sms à directora da escola e fui finalmente tomar o pequeno-almoço.

Três horas de viagem depois e voltam a dizer-me para sair, tinha chegado ao destino. Uma senhora muito simpática recusou-se a deixar-me sozinha até alguém me soubesse explicar onde estava e o que tinha de fazer. Quase que a abracei. Toda a gente falava numa carrinha, 200km e sei lá mais o quê. Recusei-me categoricamente a entrar até ter a certeza do que estava a fazer. Por mero acaso o cozinheiro da escola estava a enviar coisas através da carrinha antes de ir de férias até Bangkok. Tratou do meu bilhete e do bilhete da minha mala (não perguntem) e explicou-me que ainda estava a quatro horas de distância.

Até hoje não tive uma viagem tão agitada, com o carro aos solavancos ao ponto de eu largar uma grande cabeçada do tecto. Mas lá cheguei após quatro horas muito longas. A directora da escola lá estava com uma scooterzinha. Parece que toda a gente tem uma scooter nesta terra. E claro, ninguém usa capacete. A primeira coisa que a senhora me perguntou após me dizer olá foi:

– Então, não apanhaste o autocarro directo?

Não sei se foi o começo de uma bela amizade.

 
Planeie a sua viagem com estas ferramentas
Faça como eu! Estas são as ferramentas que utilizo no planeamento e preparação das minhas viagens. Ao utilizar os links abaixo, poderá ter alguns benefícios e, ao mesmo tempo, ajuda-me a manter o blog sem pagar nada mais por isso.
Pesquisar voos
Pesquise os seus voos num agregador como o Skyscanner ou o Momondo.
Alojamento
Reserve o seu hotel, hostel ou guesthouse no Booking ou no Airbnb.
Seguro de viagem
Não arrisque! Faça sempre um bom seguro de viagem com a World Nomads ou a Globelink.
Tours e bilhetes
Encontre um tour à sua medida e compre bilhetes para atracções no GetYourGuide ou no Viator.
Rent-a-car
Consiga os melhores preços de aluguer de carros na Rentalcars ou na Economy Car Rentals.
Cartões Bancários
Poupe nas taxas de levantamentos em viagem com os cartões Revolut ou N26.
WiFi e Internet Móvel
Tenha internet ilimitada em qualquer país do mundo com o Skyroam.

Siga-me no Instagram


, ,

No comments yet.

Deixe o seu comentário