Kit de Viagem

docas de zihuatanejo

Zihua

Foi simples chegar até Zihuatanejo. Simples demais. Diria mesmo monótono, sem qualquer sabor a novidade. Todo o ritual do transporte não passou de uma repetição de outros tantos que fiz o ano passado no Peru. O sistema é em tudo semelhante. Chegar à central de autocarros, procurar a porta de embarque (por estas bandas é assim mesmo, tal e qual como nos aeroportos), entregar ao arrumador as pranchas e o saco – “Metelas aqui, por favor. E no pongas nadie en cima, ok amigo? Gracias!”, receber e guardar os tickets da bagagem para entregar no final… e oupa lá pra dentro!

Depois a viagem em si… 10 horas seguidas, durante noite, com breves paragens em sítios nenhuns que ninguém percebe muito bem para quê. Às tantas entra-nos um gajo encapuçado por aqui dentro… e depois? É trinta e um, é o que é.

– Ja vuelve, ja vuelve – avisa uma pessoa mais preocupada que segue todos os passos do motorista, que tinha saído para aliviar águas.

Os assentos semi-reclináveis (os reclináveis deitam-se completamente) e os dois filmes com som alto não facilitam e não me deixam adormecer rapidamente, apesar do cansaço acumulado pela viagem desde Portugal e de dois dias a caminhar pela Cidade do México, hábito herdado das viagens que fazia com a minha mãe. Ao fim de algumas horas, já não arranjo posição para dormir mais do que 30 minutos seguidos. Olho constantemente para o relógio digital que está por cima do condutor e para a temperatura que está lá fora. 3:42, 24 graus. Não há nada a fazer. “Aguenta.”

Zihua, assim chamado carinhosamente chamado pelos locais e o destino que escolhi como ponto de partida para explorar a costa, também não me surpreendeu. Não me decepcionou, mas também não me surpreendeu. Zihua é uma Pacasmayo (Peru) maior, uma Itacaré (Brasil) menos explorado, uma Peniche sem ondas e água quente.

Saio do terminal de autocarros mesmo ao amanhecer e nem pergunto nada a ninguém, sei que não será preciso. Atravesso a estrada para me colocar na direcção do centro e, poucos minutos depois, aparece a micro combi (carrinha tipo Hiace de bancos corridos).

– Vas al centro? Quanto? E las tablas, hay espacio? – siga para bingo.

Primeiro de tudo, praia. A partir daí começa-se a caminhar para dentro à procura de hotéis. É um bom princípio e, nestes sítios pequenos, nem vale muito a pena sacar do guia Footprint. Tento perceber, na quietude das 7:00 da manhã, quais serão as ruas com mais movimento, onde estão os restaurantes, bares, farmácias, etc. Fico no primeiro sítio em que entro. É uma pequena residencial familiar, muito perto da praia e das duas ruas nevrálgicas. O preço está dentro do meu orçamento, parece-me limpa. Para quê procurar mais?

 

 
Planeie a sua viagem com estas ferramentas
Faça como eu! Estas são as ferramentas que utilizo no planeamento e preparação das minhas viagens. Ao utilizar os links abaixo, poderá ter alguns benefícios e, ao mesmo tempo, ajuda-me a manter o blog sem pagar nada mais por isso.
Pesquisar voos
Pesquise os seus voos num agregador como o Skyscanner ou o Momondo.
Alojamento
Reserve o seu hotel, hostel ou guesthouse no Booking ou no Airbnb.
Seguro de viagem
Não arrisque! Faça sempre um bom seguro de viagem com a World Nomads ou a Globelink.
Tours e bilhetes
Encontre um tour à sua medida e compre bilhetes para atracções no GetYourGuide ou no Viator.
Rent-a-car
Consiga os melhores preços de aluguer de carros na Rentalcars ou na Economy Car Rentals.
Cartões Bancários
Poupe nas taxas de levantamentos em viagem com os cartões Revolut ou N26.
WiFi e Internet Móvel
Tenha internet ilimitada em qualquer país do mundo com o Skyroam.

Siga-me no Instagram


,

No comments yet.

Deixe o seu comentário