Kit de Viagem

cocos na guatemala rio dulce

Um homem com uma catana na mão

Vem aí um homem com uma catana na mão. Faz vinte minutos que aqui estou, na beira da estrada à espera do autocarro, e ainda não passou vivalma. E agora, vem aí um homem com uma catana na mão.

A Lídia, do hotel, disse que o autocarro passa a cada meia hora mas, se calhar, enganou-se. E o homem vem aí, ao cimo da estrada, a descer muito devagar, quase a cambalear. Com uma catana na mão.

Deve vir cansado da jornada de trabalho. Ou bêbado. Se calhar é melhor assim, se tiver que lutar com ele não se deve aguentar das pernas. Por outro lado, a bebedeira pode dar-lhe para a tolice e atacar-me apenas por desabafo.

Quantas semanas de arroz e feijão valerá a máquina fotográfica que trago na mochila? E a minha camisola da Quiksilver? O que é que o impede de, ao passar por mim, dar-me uma catanada e deixar-me a morrer na beira da estrada? Faz vinte minutos que não passa vivalma. Seriedade? Honestidade? O que significará isso ao lado de uma barriga vazia e mais três a chorar em casa? Não sei, nunca tive que mentir ou enganar por fome. Mas já o fiz, por outras razões quaisquer que agora nem me lembro. Quanto mais por fome.

O homem vem aí, com a catana na mão. Se calhar é melhor atravessar a estrada para o outro lado para me pôr a salvo. Mas… e se ele vem de boa fé? Vai perceber e sentir-se insultado. Humilhado.

Já sei. Quando ele chegar até mim, dou dois passos para o meio da estrada, como se estivesse a espreitar se vem o autocarro. A Lídia, do hotel, disse que passava de meia em meia hora. Assim afasto-me um pouco sem nunca o perder de vista.

Agora! O homem olha para mim, abranda ainda mais o passo e parece hesitar. Dou mais dois passos na direcção contrária, fazendo de conta que vou continuar a pé. Ele ainda olha para trás… mas segue o seu caminho.

Vai ali um homem com uma catana na mão. Vai ali, ao fundo da estrada, e parece cansado da jornada de trabalho. Se calhar, só lhe apetecia parar e falar com alguém. Faz vinte minutos que não passa vivalma.

 

,

No comments yet.

Deixe o seu comentário