Kit de Viagem

Machu Picchu e chegada a Cusco sem sítio para dormir

Aguas Calientes, PeruEntrei pelo local mais bonito. Pelo local de onde se tiram todas as fotografias. O sol, que até aí estava oculto atrás das montanhas e das nuvens, começou a brilhar para me presentear com um espectáculo fabuloso. As pedras começavam a ficar douradas e o verde do chão brilhante com reflexos de humidade que nenhuma fotografia poderá um dia revelar.

Se calhar, nada estava assim. Era eu a sonhar. Mas eu queria sonhar e continuei a sonhar. A energia transmitida exigia que eu sonhasse e deleitava o olhar com uma paisagem que eu, nem na melhor fotografia, tinha imaginado. À minha frente, Wayna Picchu, a famosa montanha que preenche o fundo desta cidade perdida. Simplesmente fabuloso!

Sentei-me e contemplei. Escrevi, partilhei o que estava a viver comigo próprio. O momento era só meu. Desci e entrei pelo corredor das três janelas. O espectáculo era, mais uma vez, fabuloso. Passeava no meio das muralhas como se estivesse a viver outra época. Tocava as pedras e sentia o chão. Machu Piccu, que em quechua significa “montanha velha”, presenteou-me com o momento mais alto da viagem até agora. Foi simplesmente fabuloso!

Estive lá até ao meio-dia. Comecei a deixar de sentir a energia do ar. Provavelmente as numerosas visitas organizadas de japoneses, fortemente munidos com o último grito da era digital, estavam a absorver a energia ou então a dispersá-la. Desci rumo a Águas Calientes, povoação onde apanharia o meu comboio rumo a Cusco. Passei a porta dos turistas e deparei-me com um hotel em que a noite custa 600 dólares. Pôrra! Nunca será para o meu bolso, mesmo que tenha esse dinheiro. Desci pela estrada e recusei-me a apanhar os autocarros dos turistas, que custavam 5 dólares para percorrer um percurso que demoraria 1h30 num passo calmo. Recusei a escadaria Inka. Estava com os joelhos e os gémeos doridos. Seria melhor ir pela estrada calmamente com todo o tempo do mundo a pensar no que tinha vivido. Falava alto comigo próprio e comecei a raciocinar em Espanhol. Não me chateei.

Cheguei a Águas Calientes para almoçar e dirigi-me ao restaurante El Toldo para falar com Marco. A agência tinha-me mandado aqui para levantar o meu bilhete de comboio. O restaurante era francamente caro, como tudo em Águas Calientes. Águas Calientes é a povoação mais próxima do Machu Picchu e é, obviamente, turística. Para se entrar tem de se atravessar um túnel de lojas e lojinhas que vendem todo o tipo de bugigangas incas. Quase tudo falsificado. Fabricado em fábricas de Cusco, obviamente. Como o restaurante era caro fui procurar algo mais acessível à minha modesta bolsa. Mesmo junto a velha linha de caminho de ferro, onde se encontram inúmeras lojas e crianças a brincar, encontrei algo um pouco mais barato.

As lojas são em cima da linha e por todo lado há restaurantes e internet cafés. Tudo mesmo em cima da linha. A polícia usa uns fatos azuis escuros muito bem arranjados com o logótipo da Coca-Cola bordado à frente. O que e que se passa? É a Coca-Cola que paga à policia local? Este capitalismo assusta-me.

Acabei de almoçar e, tal como o nome indica, fui às piscinas medicinais de “águas calientes”. Estive lá uma hora a relaxar e a descansar os músculos. Desci a rua e às 16h estava a apanhar o comboio rumo a Cusco onde, segundo previsto, chegaria às 20h30. O comboio, embora conhecido pela linha Backpacker, estava extremamente bem arranjado. Uma locomotiva a vapor extremamente bem integrada na envolvência e homens a receber os turistas rigorosamente bem vestidos. Fui o último a entrar. Partimos a horas. Seguimos o vale do rio Urubamba e aproximamo-nos calmamente de Cusco. A viagem seguiu com alguma normalidade até eu perguntar a que horas chegaríamos. Estávamos 1h30 atrasados, o que faria com que chegasse a Cusco às 22h. Obviamente, muito tarde para quem ainda não tem sítio para dormir. A chegada é simplesmente inacreditável. O comboio desce a montanha andando de trás para frente por diferentes linhas. Vou tentar explicar: desce uma linha num sentido e depois desce outra noutro sentido como se tivesse a fazer numerosos Z´s. É incrível. Ficamos meia hora nisto até chegarmos à estação.

À porta da estação numerosos táxis a oferecerem os seus serviços. Recusei porque sabia que estava perto do centro, embora estivesse numa zona muito mal frequentada. Comecei a andar e parei para comer umas espetadas que se vendem na rua. Disseram-me para esconder a máquina fotográfica e pôr-me rapidamente a andar dali. Com a discrição possível abandonei o local ate à Plaza de Armas. Fui a um Internet Café ver os emails e deixei-me lá estar até à meia-noite. Ainda não tinha hotel e o mais provável era estar tudo fechado. Não sei porquê mas não me preocupei. Saí com medo da insegurança. Em todas as esquinas havia polícia. Estava bem. Dirigi-me ao “meu” hotel para ver se estava aberto. Cheguei, bati à porta e toquei várias vezes à campainha. Ninguém atendeu. Era quase 1h da manhã. Procurei outro hotel. Um pouco mais abaixo bati noutra porta. Abriram-me e receberam-me. Ficou um pouco mais caro mas estava bem. Tinha casa de banho privada com um chuveiro de água quente. Dormi descansado. No dia seguinte mudaria de hotel.

Acordei e tomei um excelente banho. Há já alguns dias que não tomava banho. Saí e fui para o outro hotel, onde reencontrei Yuri. Alojei-me exactamente no mesmo quarto e passei o dia a responder emails e a escrever esta crónica. Ainda tive para ir jantar a um local recomendado pelo amigo Ovelha mas estava fechado e jantei pelo preço mais barato até agora. 2€. Inacreditável! Fui ao posto de turismo saber dos comboios para Puno e fui à estação. Curiosamente, embora estivesse agendado, amanhã não haveria comboio para Puno. Não havia o número mínimo de 20 passageiros por isso o comboio na partiria. Irreal! Demais! Fui à estação de autocarros num táxi com o Javier. Depois de muito negociar, comprei o meu bilhete para amanhã as 8h por 10 Soles. Tínhamos começado nos 30 soles. Combinei com o Javier amanha ir-me buscar ao hotel às 7h30 e partirei rumo a Puno na margem peruana do lado Titicaca. Vai ser fabuloso!

 
Planeie a sua viagem com estas ferramentas
Faça como eu! Estas são as ferramentas que utilizo no planeamento e preparação das minhas viagens. Ao utilizar os links abaixo, poderá ter alguns benefícios e, ao mesmo tempo, ajuda-me a manter o blog sem pagar nada mais por isso.
Pesquisar voos
Pesquise os seus voos num agregador como o Skyscanner ou o Momondo.
Alojamento
Reserve o seu hotel, hostel ou guesthouse no Booking ou no Airbnb.
Seguro de viagem
Não arrisque! Faça sempre um bom seguro de viagem com a World Nomads ou a Globelink.
Tours e bilhetes
Encontre um tour à sua medida e compre bilhetes para atracções no GetYourGuide ou no Viator.
Rent-a-car
Consiga os melhores preços de aluguer de carros na Rentalcars ou na Economy Car Rentals.
Cartões Bancários
Poupe nas taxas de levantamentos em viagem com os cartões Revolut ou N26.
WiFi e Internet Móvel
Tenha internet ilimitada em qualquer país do mundo com o Skyroam.

Siga-me no Instagram


One Response to Machu Picchu e chegada a Cusco sem sítio para dormir

  1. Luís Cerqueira 04/07/2017 at 12:41 #

    Já andei por essas paragens. Lugares mágicos repletos de peripécias…

    Abraço andarilho

Deixe o seu comentário