Kit de Viagem

Machu Picchu – a cidade perdida encontrada

Machu PicchuWould anyone believe what I have found?

O calor e a humidade associaram-se à ansiedade. Entranharam-se em nós à medida que avançámos para Machu Picchu e havia uma espécie de nervosismo, comum a todas, no comboio que leva a Aguas Calientes. Elas são chilenas, adolescentes, mais novas que eu, e estavam de férias. Viajei com elas algumas partes no Peru. Queriam saber porque viajava sozinha, onde tinha estado, como é a Europa, o surf, etc. Tornei-me na “prima mais velha”, que observava a excitação delas, e ao mesmo tempo a partilhava mais comedida. Quando tinha a idade delas já sonhava em vir aqui.

Aguas Calientes serve de base para descansar antes da ascensão a Machu Picchu. Mas não dormimos. Começámos a subir às 3h da madrugada, queríamos fazê-lo a pé, subir Wayna Picchu, a “montanha jovem”, o “cone” que faz o fundo dos postais. Já Machu Picchu, a “montanha anciã”, é uma montanha que está do outro lado das ruínas, e que lhes deu o nome.

A região de Machu Picchu está no limite da selva e o clima semitropical prega partidas. Partimos entre descargas de chuveiros torrenciais e céu com estrelas. Os sentidos ficaram mais despertos graças à noite e à total escuridão circundante. O cheiro da terra, os sons, as poucas cores (sombras) que conseguíamos captar a menos de 2 metros, intensificaram-se. Vê-se com o corpo, é difícil de explicar. O caminho que subimos cortava o zig-zag usado pelos carros e a floresta, totalmente enlameada.

Apesar do mistério acerca da edificação e abandono do lugar, sabe-se que, antes da sua (re)descoberta por Hiram Bingham em 1911, viviam duas famílias campesinas na parte baixa das ruínas. O investigador norte-americano, que inicialmente estudava as rotas de libertação de Simón Bolívar, começou a interessar-se pela cultura Inca e a procurar as ruínas de Vilcabamba (que se localizam mais para o interior da selva). Tendo ouvido relatos de ruínas aqui, seguiu o Camino del Inca (onde também descobriu mais vestígios). Com dificuldades chegou à parte oeste do complexo e aí foi guiado por uma criança local até ao centro da que apelidou “cidade perdida dos Incas”, não a que ele esperava encontrar, mas mais estupenda.

No diário, escreveu “Would anyone believe what I have found?”. A cidade dessa época não estava desflorestada e sim cheia de cobras, as ruínas mais “arruinadas” e escondidas pela vegetação. Com as expedições seguintes, apoiadas pela universidade de Yale e a National Geographic, divulgaram-se imagens, depois abriram-se caminhos, linha de comboio, reconstruíram-se algumas ruínas, passaram a Património Mundial (1983), abriram-se ao público (2001), e, apesar dos conselhos da Unesco para o máximo de 500 turistas diários, entram mais de 1000. As ruínas deslizam vários centímetros anualmente, perderam parte da floresta virgem que as segurava, e o turismo excessivo (lucrativo) encurta a “vida” deste lugar. A pressão dos veículos que sobem a montanha, de turistas que pisam muros (alguns até os graffitam) é evidente. Fala-se na construção de um teleférico. A “cidade perdida” é cada vez mais encontrada e perdida.

Primeiro apareceram cerca de 100 esqueletos de mulheres, depois os dos homens, objectos rituais em prata, cobre, bronze e pedra. Existem zonas urbanas, cerimoniais e agrícolas, e o palácio rural, templos, prisão, banhos, e observatório astronómico. Distinguem-se os eixos claramente traçados, algumas construções alinham-se com o azimute nos solstícios. As hipóteses continuam por comprovar: a cidade foi o reduto final dos Incas durante a colonização? Ou foi abandonada por eles diante de alguma ameaça, inclusive espanhola? Nenhum colonizador espanhol a relatou.

As fotografias que vi das ruínas eram redutoras ao lado do que vejo aqui. Com imagens não percebi a escala do lugar (que parece menor em imagens), a imponência do espaço, a relação do construído e natural. Wayna Pichu é tão dominante como a parte edificada. Como um trono, lá em cima dá vertigens e calma. Tem um perfil curvilíneo e depois cai num abismo. As montanhas da Cordilheira de Vilcanota escondem-se atrás do nevoeiro, e ambos perdem a tridimensionalidade, reproduzidos num plano de uma imagem. A vegetação é luxuriante, quase artificial, aos olhos parece de uma textura feita de pompons, esponjosa. Em fotografias não se lê o vazio que existe até lá em baixo, onde serpenteia o Urubamba e o comboio paralelo que termina em Aguas Calientes para os turistas, mas segue para uma hidroeléctrica. Quando não ecoa pelo vale acima, consegue-se ouvir o Urubamba no fundo. É um veio de água que se une com outros, gera um veio maior -o Ucayali – e desse e outros veios nasce o Amazonas.

O cansaço da subida compensou, durante, antes e depois de subir: sentei-me na “montanha jovem”, esperei, passaram a chuva e as nuvens, saiu o sol. Sequei o bilhete de entrada para recordação, escrevi a data no desenho ensopado, e fiquei a ver. Parti para a América do Sul no dia 24 de Julho e subi aqui precisamente 365 dias depois (com atrasos, imprevistos e greves de transportes pelo caminho). Mais tarde, vim a descobrir que foi também num 24 de Julho que Bingham viu Machu Picchu pela primeira vez.

Would anyone believe?

 

 

Por Sofia Valente
A Sofia é uma surfista do Porto que está na América do Sul a fazer um ano do curso de arquitectura e, claro está, a viajar e a surfar sempre que pode.

 
Planeie a sua viagem com estas ferramentas
Faça como eu! Estas são as ferramentas que utilizo no planeamento e preparação das minhas viagens. Ao utilizar os links abaixo, poderá ter alguns benefícios e, ao mesmo tempo, ajuda-me a manter o blog sem pagar nada mais por isso.
Pesquisar voos
Pesquise os seus voos num agregador como o Skyscanner ou o Momondo.
Alojamento
Reserve o seu hotel, hostel ou guesthouse no Booking ou no Airbnb.
Seguro de viagem
Não arrisque! Faça sempre um bom seguro de viagem com a World Nomads ou a Globelink.
Tours e bilhetes
Encontre um tour à sua medida e compre bilhetes para atracções no GetYourGuide ou no Viator.
Rent-a-car
Consiga os melhores preços de aluguer de carros na Rentalcars ou na Economy Car Rentals.
Cartões Bancários
Poupe nas taxas de levantamentos em viagem com os cartões Revolut ou N26.
WiFi e Internet Móvel
Tenha internet ilimitada em qualquer país do mundo com o Skyroam.

Siga-me no Instagram


,

No comments yet.

Deixe o seu comentário