Kit de Viagem

bandeira da argentina

Informação prática para viajar na Argentina

Bandeira ArgentinaNome oficial do país: República da Argentina

Fronteiras: Chile, Bolívia, Paraguai, Uruguai e Brasil

Fuso horário: GMT-3; não utiliza “hora de verão”

 

Vistos
Os cidadãos portugueses e brasileiros não necessitam de visto para estadias de turismo até 90 dias. Os portugueses precisam de um passaporte válido e os brasileiros precisam apenas do documento de identidade (RG).

Línguas faladas
A língua oficial é o Castelhano. Nas zonas turísticas o Inglês é amplamente falado e entendido.

Cuidados de saúde
A Argentina não exige qualquer certificado de vacinação, excepto contra a cólera e a febre-amarela aos passageiros procedentes de países onde estas doenças sejam endémicas. Segundo dados oficiais das autoridades sanitárias argentinas, no primeiro trimestre de 2009 registaram-se mais de 4 mil casos de dengue na Argentina, 4 deles causando vítimas mortais. Embora esta doença se manifeste essencialmente no norte do país, em províncias como Chaco, Salta, Jujuy e Catamarca, no ano de 2011 alastrou-se a Santa Fé e Missões e foram detectados casos em Buenos Aires. Todos aqueles que viagem para a capital e sul ou centro do país não precisam de se preocupar com este problema, mas aqueles que pretenderem visitar o norte, onde o dengue é endémico, devem tomar medidas anti-mosquitos e estar atentos aos sintomas. Ver mais informação em Dengue. Os hospitais e os cuidados médicos são considerados de elevado nível um pouco por todo o país, principalmente em Buenos Aires. Para informações mais detalhadas, pode-se consultar o site da MD Travel Health ou o Yellow Book do governo americano. De qualquer forma, é sempre recomendável uma ida à Consulta do Viajante.

Segurança
A Argentina é um país razoavelmente seguro. No entanto, a capital Buenos Aires tem algumas áreas inseguras, nomeadamente as zonas mais periféricas, Retiro e o bairro La Boca. Não é aconselhável andar só à noite e deve-se ter atenção redobrada nas áreas turísticas devido aos furtos, que são bastante comuns por toda a cidade. O sul do país é manifestamente mais seguro mas nunca se deve esquecer que é um país sul-americano e que as principais cidades têm algum risco devido à pressão demográfica. Devem ser tomadas as medidas normais de precaução. O território argentino é muito susceptível à ocorrência de terramotos. O último sismo de grandes proporções (7,4 Richter) verificou-se na província de Caucete, em 1977. De realçar que no dia 1 de Fevereiro de 2011, ocorreu um terramoto de magnitude 7 na província de Santiago del Estero.

Dinheiro
A moeda oficial é o Peso Argentino, que vale cerca de 0,17 Euros. Ver câmbio
Símbolo: $ (não confundir com o dólar americano que, normalmente, é escrito como US$).
Código internacional: ARS

Os dólares americanos também são aceites mas apenas em locais turísticos, pelo que o melhor é mesmo levantar dinheiro numa ATM, que abundam por todo o país, e usar moeda local. Os cartões bancários reconhecidos internacionalmente, como o Visa, Visa Electron, American Express, Diners, MasterCard, etc. são vulgarmente aceites e, geralmente, não envolve pagamentos extra, mas é sempre conveniente perguntar primeiro para se certificar.

O melhor sítio para trocar dinheiro é nos bancos, são seguros e têm as taxas actualizadas. As casas de câmbio normalmente cobram taxas mais elevadas. É sempre necessário mostrar o passaporte para se trocar dinheiro. Pode-se trocar Dólares e Euros ou moedas dos países vizinhos sem qualquer problema. O hábito de dar gorjeta não é generalizado e resume-se a hotéis e restaurantes de classe superior. Ninguém esperará que o faça nos restaurantes, bares, hotéis ou hostels mais económicos. A taxa de inflação na Argentina é galopante (20% em 2011) e os preços dos bens e serviços mudam praticamente todos os meses. Alguns preços de referência em 2011:

– Garrafa de água ou Coca-Cola: 5$ (1 Eur)
– Cerveja: 15$ (3 Eur) num bar ou restaurante.
– Corrida de táxi no centro de Buenos Aires: 20$ (4 Eur)

Pode-se comer de forma económica aproveitando os menus diários por cerca de 30$-40$ (6-7€). Na Patagónia, a alimentação é bastante mais cara, inclusive a comida vendida nos supermercados, devido a impostos.

Electricidade
A corrente eléctrica é de 220-240V e as tomadas são de dois pinos redondos (igual a Portugal) ou três pinos achatados oblíquos. Nos locais turísticos os hotéis têm adaptadores para emprestar aos clientes e algumas tomadas com sistema europeu. É fácil e barato comprar um adaptador. Se permanecer um tempo mais prolongado no país será mais prático andar sempre com um. Atenção aos orifícios, para que sejam suficientemente largos para introduzir aquelas fichas mais grossas de computadores, etc.

081129124310.jpg 081129124330.jpg

 

Telecomunicações
O indicativo internacional da Argentina é o +54. A rede telefónica local é de boa qualidade e há “locotórios” por todo o país com serviço nacional e internacional. As operadoras de telemóveis portuguesas têm acordos de roamig na Argentina mas pode ser necessário activar o roaming contratual (não automático). Informe-se junto da sua operadora. Existem várias operadoras de rede móvel na Argentina (Claro, Movistar, Personal) e é fácil e barato comprar um cartão SIM para usar no nosso próprio telefone. A utilização da internet é bastante generalizada. Há muitos cyber-cafés e, particularmente nos locais mais turísticos, há muitos hotéis, hostels, cafés e restaurantes que têm Wi-Fi gratuito.

Links úteis
Ministério da Relações Exteriores da Argentina
Embaixada da Argentina no Brasil
Embaixada de Portugal na Argentina
Embaixada do Brasil na Argentina
Portal das Comunidades Portuguesas – Argentina

 
Planeie a sua viagem com estas ferramentas
Faça como eu! Estas são as ferramentas que utilizo no planeamento e preparação das minhas viagens. Ao utilizar os links abaixo, poderá ter alguns benefícios e, ao mesmo tempo, ajuda-me a manter o blog sem pagar nada mais por isso.
Pesquisar voos
Pesquise os seus voos num agregador como o Skyscanner ou o Momondo.
Alojamento
Reserve o seu hotel, hostel ou guesthouse no Booking ou no Airbnb.
Seguro de viagem
Não arrisque! Faça sempre um bom seguro de viagem com a World Nomads ou a Globelink.
Tours e bilhetes
Encontre um tour à sua medida e compre bilhetes para atracções no GetYourGuide ou no Viator.
Rent-a-car
Consiga os melhores preços de aluguer de carros na Rentalcars ou na Economy Car Rentals.
Cartões Bancários
Poupe nas taxas de levantamentos em viagem com os cartões Revolut ou N26.
WiFi e Internet Móvel
Tenha internet ilimitada em qualquer país do mundo com o Skyroam.

Siga-me no Instagram


127 Partilhas

8 Responses to Informação prática para viajar na Argentina

  1. Lafontes 21/06/2018 at 02:42 #

    Tenho uma duvida! Pretendo passar 2 semanas na argentina em dezembro pra aproveitar as ferias de fim de ano. Que seria do dia 22/12 a 05/01. Será que com 3.000 mil reais eu conseguiria passar tranquilo. Sem luxo
    Pq eu quero ir de mochileiro.

    • André Parente 22/06/2018 at 01:05 #

      Olá Lafontes! Bem, isso é muito relativo e depende muito de cada pessoa. O que é mochileiro para uns é luxo para outros! :) E é difícil dar uma opinião quando não mencionas, por exemplo, se esse valor deve incluir o transporte (avião ou ónibus), que tipo de alojamento vais preferir, que actividades queres fazer, etc…

  2. Francis Rodrigues 05/02/2018 at 14:06 #

    Sou brasileiro. Pretendo ir fim do ano, abrir empresa, aproveitar o plano Macre para startups brasileiras.
    Como conseguir permanência?

    • André Parente 13/02/2018 at 02:34 #

      Olá Francis. Lamento mas não te posso ajudar… nem sei o que é o plano Macre! :)

  3. Amanda 18/01/2018 at 20:52 #

    Vou viajar para Buenos Aires no carnaval de 2018. É preciso tomar a vacina de febre amarela? Resido em um estado que não foi afetado por casos da doença.

    • agatha 21/01/2018 at 01:12 #

      minha dúvida é essa também!! vou viajar segunda….

    • Taíne Teixeira 01/02/2018 at 18:07 #

      Também estou com a mesma dúvida…

    • André Parente 04/02/2018 at 14:07 #

      Diria que sim, pois o Brasil é um país com febre amarela endémica… certo? Penso que, para terem a certeza, devem contactar com a autoridades de saúde brasileiras e/ou argentinas.

Deixe o seu comentário