Kit de Viagem

kommetjie africa do sul

Desmame em Jeffreys Bay

Se no tempo dos Descobrimentos houvesse internet e sites de previsões climatéricas tão precisos como os que existem hoje em dia, não havia tantos navios naufragados ao largo do Cabo da Boa Esperança.

Aliás, estou mesmo a imaginar a conversa no Facebook entre dois jovens marinheiros da época, que terá antecedido a mais um feito importante da nossa história.

– Yo, Bartol(omeu)! Tá tudo?
– Grande Vasquinho, como é?
– Qual é aquele site maravilha que usaste quando passaste o Cabo?
– Espera, já te envio… os gajos não falham. Vais-te mandar?
– Lembras-te daquela chavala que conheci no Hi5? Estou a pensar pegar numas naus e ir ter com ela.
– É isso maior! Mas ela é de onde? Sabes o caminho?
– Diz que é da Índia ou lá o que é… mas vou indo e logo vejo. E se curtir aquilo ainda fico lá uns tempos.

Esta terra está cheia de referências aos navegadores Portugueses (nomes de ruas, locais, praias, monumentos, etc) e é difícil não sentir algum orgulho ao pensar que toda esta costa foi, literalmente, desbravada por “nós”. Sem internet nem previsões climatéricas, sem mapas ou instrumentos de navegação, com a costa sempre à vista. Sem sequer saberem se o mundo acabava na linha do horizonte e se as naus iam resvalar por ali abaixo. Já fomos grandes e este é o país onde as pessoas me olham com mais admiração quando digo que sou Português. E não é só por causa do Cristiano Ronaldo.

Durante a semana que passei em Jeffreys Bay as previsões eram bem claras em todos os sites que consulto regularmente: não ia entrar nenhuma ondulação e, mesmo que entrasse, só iriam estar dois dias de off-shore (bom vento). Ainda assim, levantava-me todos os dias com os primeiros raios de luz a entrar pela janela para confirmar as condições. É que, às vezes, “os gajos enganam-se”. É muito raro, mas acontece. E eu estava à espera de um milagre. “Concede-me só mais isto” – pedia eu nos finais de tarde que passava sentado nos banquinhos de Supertubes, lembrando-me das rezas que fazia com os meus amigos em frente à praia de Leça a pedir ondas para o dia seguinte, ainda não havia esta coisa dos sites. E ainda tínhamos idade para fazer esses disparates!

J-Bay, Africa do Sul

O melhor set no melhor dia da semana em J-Bay.

 

No único dia em que, possivelmente, teria conseguido andar em Jeffreys, decidi pegar no carro e ir até Cape St. Francis (mais uma referência portuguesa) para surfar em Seal Point, uma direita que tinha identificado dois dias antes.

– Porque é que não entras? Sempre é JBay e assim já podes dizer que surfaste aqui – insistia a Caroline, enquanto víamos o amigo Waren a tentar pôr-se de pé.

Mas eu não quis estragar o mito. Preferi não entrar a fazer uma sessão ruinosa no “melhor point-break de direita do mundo”. Preferi deixar o sonho vivo e o alfinete espetado no meu planisfério, a provocar-me todos os dias durante os próximos anos. “Tenho tempo”, pensei. Depois de quase 3.000 km a bater praias e apenas três surfadas em condições abaixo da média, já não há “Boa Esperança” que resista. Em Cape Town, este vento que não dá tréguas entra off-shore em muitos sítios mas já estou cansado de vaguear como um tonto pelas praias mais selvagens da região à espera de, contra todas as probabilidades, encontrar um tesouro escondido. Não há nada a fazer e eu já sabia antes de vir: é Verão e não é época de muitas ondas. Por isso há que mudar o chip e aproveitar o resto, que também é muito.

Ou, como alguém me disse, estas ultimas semanas são, à respectiva escala, como quando vamos de férias e o voo de regresso é ao início da tarde, deixando-nos algum tempo que já não dá para aproveitar muito. Nessa manhã arrumamos as coisas, vamos uma última vez à cidade, fazemos algumas compras de última hora, enviamos um último postal. Revemos as fotos tiradas, lembramo-nos dos melhores momentos… e fazemos planos para o regresso, prometendo a nós próprios que “a partir de agora vai ser diferente”. Antecipamos o reencontro com as pessoas que nos são queridas. Os abraços no aeroporto, os jantares de histórias e galhofa, as sessões de fotos, as surfadas nas “nossas” praias.

“Sobe pro Marrocos” – diz-me no Messenger o Paulinho, um brasileiro que conheci no Peru. “Estão grandes ondulações no Atlântico Norte e assim já fica pertinho de casa”.

Mmm… com mais umas semaninhas em cima era capaz de ser boa ideia. Mas eu já prometi em casa regressar para o Natal.

 
Planeie a sua viagem com estas ferramentas
Faça como eu! Estas são as ferramentas que utilizo no planeamento e preparação das minhas viagens. Ao utilizar os links abaixo, poderá ter alguns benefícios e, ao mesmo tempo, ajuda-me a manter o blog sem pagar nada mais por isso.
Pesquisar voos
Pesquise os seus voos num agregador como o Skyscanner ou o Momondo.
Alojamento
Reserve o seu hotel, hostel ou guesthouse no Booking ou no Airbnb.
Seguro de viagem
Não arrisque! Faça sempre um bom seguro de viagem com a World Nomads ou a Globelink.
Tours e bilhetes
Encontre um tour à sua medida e compre bilhetes para atracções no GetYourGuide ou no Viator.
Rent-a-car
Consiga os melhores preços de aluguer de carros na Rentalcars ou na Economy Car Rentals.
Cartões Bancários
Poupe nas taxas de levantamentos em viagem com os cartões Revolut ou N26.
WiFi e Internet Móvel
Tenha internet ilimitada em qualquer país do mundo com o Skyroam.

Siga-me no Instagram


165 Partilhas

,

One Response to Desmame em Jeffreys Bay

  1. Manuel 20/07/2015 at 15:09 #

    Infelizmente não imagino o que seja um desmame de uma volta ao mundo!! Mas que deve ser duro lá isso deve!!
    Abraço!

Deixe o seu comentário